Autárquicas: Novo autarca de Montemor-o-Novo (PS) com “grande vitória” sobre CDU

Olimpio Galvão

O presidente eleito da Câmara de Montemor-o-Novo, o socialista Olímpio Galvão, que ‘destronou’ a CDU deste bastião comunista do distrito de Évora, considerou tratar-se de “uma grande vitória” e admitiu tentar um acordo com o CDS-PP/PSD.

“Foi uma grande vitória, construída durante muitos e muitos anos”, e “é de todos aqueles militantes e independentes que pertenceram às listas do PS desde 1976”, afirmou o novo autarca deste concelho, que sempre foi governado por coligações lideradas pelo PCP, mas que agora se vai ‘pintar’ de ‘rosa’.

Em declarações à agência Lusa, Olímpio Galvão argumentou que, ao longo dos anos, umas vezes “foi-se conseguindo aguentar o PS” e outras “fazê-lo crescer”.

E “conseguimos ganhar uma dinâmica, principalmente nos últimos oito anos”, que levou “a esta vitória” nas eleições de domingo, continuou.

“A CDU tinha aqui um dos últimos bastiões e que nós conseguimos conquistar”, salientou, frisando tratar-se de “um dia muito importante para Montemor-o-Novo”, que vai entrar “numa nova era de governação política”.

No concelho de Montemor-o-Novo, depois de Olímpio Galvão, do PS, com 40,15% dos votos, o segundo mais votado foi o candidato do PCP-PEV, António Romeiras, com 34,10%, e o terceiro o do CDS-PP/PSD, António Pinto Xavier, com 18,16% dos votos.

Perante estes resultados, os socialistas conquistaram a câmara com um total de três mandatos, o mesmo da CDU, ‘entrando’ a coligação CDS-PP/PSD no executivo, com um eleito, que funcionará como ‘fiel’ da balança.

O novo presidente da câmara disse que irá ver agora qual o entendimento possível com o CDS-PP/PSD.

“Penso que a intenção também dos partidos mais à direita era de retirar a CDU do poder e vamos agora ver que entendimentos é que podemos fazer para governar a câmara”, indicou, frisando: “É natural tentar chegar a acordo, porque sozinhos não conseguimos governar”.

Olímpio Galvão disse ainda acreditar que conseguirá fazer “um bom trabalho” e prometeu “governar em prol de Montemor e não em prol de um partido político”.

Dos 13.816 eleitores do concelho de Montemor-o-Novo, 61,47% foram votar (a abstenção atingiu os 38,53%), tendo sido registados 2,17% de votos brancos e 1,15% de votos nulos, de acordo com os dados provisórios da secretaria-geral do Ministério da Administração Interna.