Autárquicas: Novo autarca CDU de Viana do Alentejo pede “bom senso” à oposição

CDU Viana do Alentejo

O presidente da Câmara de Viana do Alentejo, Luís Miguel Duarte, eleito pela CDU nas autárquicas deste ano, com maioria relativa, apelou ontem ao “bom senso” da oposição para politizar “o menos possível” as decisões no município.

“Ganhámos as eleições, mas não ganhámos com maioria absoluta”, pelo que terá que “haver um pouco de bom senso das forças políticas” eleitas, afirmou à agência Lusa o novo autarca de Viana do Alentejo, no distrito de Évora.

Considerando que o “único interesse” de todos é “zelar da população” do concelho, Luís Miguel Duarte, que tomou ontem posse, defendeu que os eleitos devem politizar “o menos possível as decisões” que têm que tomar.

“Gostava que politizássemos o menos possível as decisões que temos de tomar, mas, obviamente, vão existir algumas situações em que [isso] poderá ser mais difícil”, argumentou.

Para o presidente do município, todos os partidos vão lutar “pelos interesses da população, que, no fundo, até são os mesmos”, pois “os programas eleitorais não são muito diferentes uns dos outros”.

“Estamos num concelho com menos de seis mil habitantes e nada será inventado de novo. Todos conhecemos as necessidades e a população e não devemos andar muito longe uns dos outros”, sublinhou.

Luís Miguel Duarte mostrou-se ainda disponível para, na primeira reunião de câmara do novo executivo, marcada para quarta-feira, atribuir aos vereadores da oposição “alguns pelouros”, que não precisou.

O novo autarca falava após a cerimónia de tomada de posse dos novos eleitos para os órgãos autárquicos do concelho de Viana do Alentejo nas eleições de 26 de setembro.

A CDU conquistou ao PS a presidência desta câmara municipal e o novo executivo vai ser constituído por dois eleitos da coligação PCP/PEV, outros dois do PS e um da coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT.

Os socialistas lideravam a Câmara de Viana do Alentejo desde as eleições autárquicas de 2009.

Também em declarações à Lusa, o vereador do PS João Anéis, que foi o candidato socialista à presidência desta autarquia, assumiu o compromisso de efetuar “o melhor mandato” e tentar fazer com que “algumas sugestões possam ser cumpridas”.

“Qualquer oposição que possamos fazer, através do travamento de projetos, quem vai sofrer são os nossos munícipes e nós não queremos isso. Queremos o nosso concelho desenvolvido”, frisou.

Já o vereador da coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT, António Costa da Silva, que também foi candidato à presidência do município, indicou à Lusa que, se “um conjunto de propostas” for acolhido pela gestão CDU, está disponível para “viabilizar os documentos principais”.

“Estamos disponíveis para viabilizar todas as matérias de interesse para o concelho”, mas aquelas que forem “contra os nossos princípios, votaremos contra”, acrescentou.