Autárquicas: Candidato do Chega quer “libertar” Arronches da “dependência camarária”

Chega

O candidato do Chega ao Município de Arronches (Portalegre), Ricardo Cordeiro, de 36 anos, justificou que aceitou avançar para a “corrida” eleitoral nas próximas autárquicas porque quer “libertar as pessoas da dependência camarária”.

Em declarações à agência Lusa, o candidato, residente em Campo Maior, disse que, motivado pelo “convite do líder da distrital” de Portalegre, aceitou liderar a candidatura no concelho vizinho.

Ricardo Cordeiro explicou que ganhou uma “afinidade” com Arronches “ao longo do tempo” em que o filho jogou futebol no clube local e candidata-se com o objetivo de que as pessoas “não sejam tão dependentes das câmaras municipais e das juntas” de Freguesia.

O programa ainda não está “fechado”, porque a candidatura foi anunciada “há pouco tempo” e, como “no interior há sempre dificuldade” para arranjar pessoas, o foco tem estado “na constituição das listas e não tanto no programa”, afirmou.

No entanto, o operador de produção no setor de torrefação do Grupo Delta Cafés admitiu que as linhas orientadoras do programa serão “as básicas do partido”, nomeadamente “em termos de segurança”.

Apesar de [Arronches] ser uma vila com bastante segurança, há sempre algo a melhorar. Nas fronteiras, no combate aos estupefacientes que sempre surgem nestas zonas de fronteira e, acima de tudo, procurar mais investimento privado para libertar as pessoas daquilo a que costuma chamar de ‘câmaradependência’, que existe muito no interior”, frisou Ricardo Cordeiro.

Sobre os objetivos da candidatura, o antigo árbitro de futebol, nas Associações de Futebol de Setúbal e de Portalegre, lembrou que é “sempre complicado” avançar com uma candidatura por um partido que concorre às eleições autárquicas “pela primeira vez”, especialmente num concelho onde “o PSD tem mais força” e “está bem consolidado”.

O que pretendemos é ficar à frente da extrema-esquerda, do PCP e do Bloco de Esquerda, caso apresentem candidaturas, e servir de oposição ao poder instalado”, assumiu, frisando: “Não vale a pena estar com ideias de que vamos vencer, porque sabemos a dificuldade que é a captação de pessoas para o partido”.

Natural de Monte da Caparica, no concelho de Almada (Setúbal), o candidato tem “origens em Santa Eulália”, no concelho de Elvas, no distrito de Portalegre.

Ricardo Cordeiro possui bacharelato em Gestão de Vendas e Marketing, pelo Instituto Politécnico de Portalegre, e foi vice-presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Portalegre, mas, em termos políticos, é a primeira vez que tem alguma ligação a um partido.

Além de Ricardo Cordeiro, pelo Chega, estão confirmadas as candidaturas à Câmara de Arronches de João Crespo, pelo PSD, e de João Luís Feiteira, pelo PS.

O atual executivo camarário, presidido por Fermelinda Carvalho – que é a candidata social-democrata a Portalegre -, é formado por quatro eleitos do PSD e um do PS.

As eleições autárquicas deste ano ainda não têm data marcada, mas, por lei, realizam-se em setembro ou outubro.