Autárquicas/Beja: Nuno Palma Ferro do PSD lidera coligação “na idade certa”

Nuno Palma

A candidatura “Beja Consegue”, tem como cabeça de lista Nuno Palma Ferro que pretende chegar à liderança da autarquia da capital do Baixo Alentejo.

Com 51 anos de vida e apenas um ano de filiação no PSD, Nuno Palma Ferro cedeu ao ‘bichinho’ da política e decidiu que está “na idade certa” para se candidatar à Câmara de Beja, nestas autárquicas.

O ideal de “deixar aos filhos” um mundo “um bocadinho melhor” do que aquele que a sua geração recebeu foi motivo suficiente para despertar o ‘bichinho’ da política, adormecido desde os tempos de estudante universitário, conta o candidato à agência Lusa.

A candidatura de Nuno Palma Ferro, intitulada “Beja Consegue”, é liderada pelo PSD, mas integra também o CDS-PP, o Partido Popular Monárquico, a Iniciativa Liberal e o Aliança.

“Nunca fui filiado em nenhum partido, mas, em miúdo, já tinha o ‘bichinho’ e algumas ligações, nomeadamente através da Associação de Estudantes da Universidade de Évora (UÉ)”, admite.

Acabou por ser um antigo aluno seu, agora atual presidente da distrital de Beja do PSD, Gonçalo Valente, a lançar-lhe “o desafio” da candidatura ao município: “E porque não? Em vez de estarmos só na ‘bancada’ a contribuir destrutivamente, [podemos] tentar dar o nosso contributo de forma positiva”, afirma.

Por achar que “o legado” que está prestes a deixar aos filhos e às gerações vindouras, neste momento, “é pior” do que aquele que recebeu, achou que “era a altura de intervir”.

Professor dos ensinos “básico, secundário, mas também com cinco anos no superior”, o caçula de uma família de três irmãos nasceu em Luanda, em 11 de julho de 1970, mas 10 meses depois já vivia em Beja, na mesma rua onde ainda hoje permanece.

“Não é a mesma casa, mas é na mesma rua. Saí para estudar, mas, no dia em que saí, jurei a mim mesmo que havia de voltar. Assim fiz e trouxe companhia, a minha mulher, que veio das Caldas da Rainha”, revela, ao traçar as suas raízes.

Descreve-se como “uma pessoa normal, igual a tantas outras que não têm um passado político”. Casado, com dois filhos, alia à profissão um percurso desportivo e de dirigente associativo.

Foi jogador de hóquei em patins no Desportivo de Beja e no Diana de Évora, até à idade de júnior. Jogou ainda ténis de mesa, ténis e “hoje em dia, com 126 quilos”, é federado em padel.

“Desde que arranje um miúdo novo que corra por mim, depois, para meter a bola no sítio certo, eu trato disso”, graceja.

Presidiu à Associação de Patinagem de Beja durante 12 anos e de lá saiu “pelo próprio pé”, mas manteve-se até hoje como presidente da mesa de Assembleia-Geral, porque “nestas coisas tem-se sempre muita dificuldade em arranjar pessoas”, o mesmo motivo pelo qual também já foi, algumas vezes, vice-presidente do Núcleo do Sporting.

“Sportinguista até à morte”, viveu este ano a alegria de festejar o título de campeão nacional de futebol, o que deu um ‘empurrãozinho’ para voltar a filiar-se no clube de Alvalade.

“Fui sócio muitos anos, mas vou voltar a ser este ano, porque tenho os miúdos a estudar em Lisboa e é uma maneira de nos encontrarmos nos jogos. Na família, somos todos sportinguistas”, diz.

Clubismos à parte, a sua candidatura à Câmara de Beja assenta em apoiar e promover a juventude, a vida na cidade, a agricultura, o património e “a alma”.

“Se não tivermos vida, as pessoas não vêm para cá. Beja já foi uma cidade com um grande ‘élan’, mas agora não tem nada”, lamenta.

Conta que adora ler romances históricos e na música tem como “banda de eleição” os U2. Também gosta dos The Doors, Xutos & Pontapés, Sérgio Godinho, enfim, “os clássicos” com que cresceu desde a adolescência.

A muito custo, porque “não fica bem” fazer esse tipo de autoavaliação, elege a generosidade como a sua maior virtude, mas também a “espontaneidade, que acaba por magoar os outros, sem a menor intenção”, como principal defeito.

O atual executivo de Beja, liderado pelo socialista Paulo Arsénio, que cumpre o primeiro mandato e é recandidato, é formado por quatro eleitos do PS e três da CDU (PCP/PEV).

Nas eleições autárquicas de 26 de setembro, além de Nuno Palma Ferro e Paulo Arsénio, concorrem a esta câmara alentejana Vítor Picado (CDU), Gonçalo Monteiro (Bloco de Esquerda) e Pedro Pinto (Chega).

Por: Sérgio Lopes (Lusa)