Autárquicas/Beja: Candidato do BE Gonçalo Monteiro luta por mais saúde, habitação e transportes

Gonçalo Monteiro do Bloco de esquerda

O Bloco de Esquerda candidata-se à Câmara Municipal de Beja apresentando Gonçalo Monteiro como cabeça de lista, tendo como principais lutas, a saúde, a habitação e os transportes.

Gonçalo Monteiro entrou para a política por “dever cívico” e candidata-se à presidência da Câmara de Beja pelo BE para aumentar a votação do partido e “lutar” por mais igualdade, justiça social, saúde, habitação e transportes no concelho.

“Sendo realista e tendo um bocadinho os pés assentes na terra, o objetivo principal será aumentar a votação”, diz à agência Lusa Gonçalo Monteiro, de 32 anos.

Se o Bloco de Esquerda (BE) conseguir eleger um vereador será “excelente”, admite o candidato natural de Mafamude, concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.

Em 2001, com 12 anos e por decisão dos pais, mudou-se para Beja, onde vive com a mulher e o filho e trabalha como gestor comercial no ramo alimentar.

Frequentou o curso de Estudos Africanos na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que não terminou, porque teve de congelar a matrícula “por motivos de força maior”.

Gonçalo Monteiro entrou na política “há mais de 10 anos, quando achava que deveria haver uma intervenção mais jovem” nesta área e por considerar que era “um direito e um dever cívico” seus.

Filiou-se no BE por ser o partido com que mais se identifica, frisa, confessando ser “um bocadinho complicado” descrever-se.

“Acho que sou uma pessoa reservada e gosto de considerar que tenho algum sentido de justiça e de solidariedade. Se tivesse de me avaliar numa só palavra, diria que sou simples”, afirma.

Ser “humilde” é a sua maior virtude e, no polo oposto, o seu maior defeito é às vezes ser “inconveniente”, confessa.

Gosta de ocupar os tempos livres com a família e defende que “toda a gente devia ler” o livro “O processo”, de Franz Kafka, porque “retrata muito bem a burocracia e a dificuldade que existe em tratar de alguns assuntos na sociedade”.

“Ouço diversos géneros musicais, dependendo muito do estado de espírito, mas inclino-me mais para o ‘jazz’, o ‘ska’ e o ‘blues’”, diz, apontando como banda de eleição os norte-americanos The Slackers, “uma das melhores bandas de ‘ska’”.

Nas autárquicas de 2017, Gonçalo Monteiro candidatou-se pelo BE à União de Freguesias de Pontinha e Famões, concelho de Odivelas, distrito de Lisboa.

Foi eleito para a assembleia de freguesia, onde se manteve até 2018, quando renunciou ao mandato e regressou a Beja.

Nas autárquicas deste ano, candidata-se após ter aceitado o “desafio da concelhia” do BE para liderar a lista do partido à Câmara de Beja e por considerar que há “bastante para fazer” no concelho.

Gonçalo Monteiro quer lutar pelas “principais bandeiras” do programa do BE, ou seja, mais igualdade, justiça social, saúde, habitação e transportes.

“Tem de existir um reforço no investimento na saúde no concelho de Beja”, nomeadamente na contratação de pessoal auxiliar, médicos e enfermeiros e na prestação de serviços nas freguesias rurais, defende.

No seu entender, na área dos transportes, a oferta que existe no concelho “é manifestamente insuficiente” e, atualmente, “não existe nenhum transporte em Beja adaptado para cidadãos com deficiência ou mobilidade reduzida”.

O candidatado quer ver “cumprida a Lei de Bases da Habitação e que exista efetivamente um maior investimento da autarquia numa habitação social, justa e acessível para todos”.

Reconhece que há áreas que não são da competência ou não “dependem inteira ou diretamente das autarquias”.

“Existe a obrigação moral e a obrigação legal, e a autarquia pode não ter a obrigação legal, mas tem a obrigação moral de, pelo menos, fazer pressão junto do Governo ou tentar fazer o máximo para resolver os problemas, nem que seja achar uma alternativa viável”, defende.

O atual executivo de Beja, liderado pelo socialista Paulo Arsénio, que cumpre o primeiro mandato e é recandidato, é constituído por quatro eleitos do PS e três da CDU (PCP/PEV).

Nas eleições autárquicas de 26 de setembro, além de Gonçalo Monteiro (BE) e Paulo Arsénio (PS), concorrem à Câmara de Beja Vítor Picado (CDU), Nuno Palma Ferro (pela coligação “Beja Consegue”, liderada pelo PSD e que integra CDS-PP, PPM, Iniciativa Liberal e Aliança) e Pedro Pinto (Chega).

Por: Luis Lourenço (Lusa)