Autárquicas: Autarca de Estremoz defende que é no debate político que se conseguem melhores soluções

José Sadio

O novo presidente da Câmara de Estremoz (Évora), José Daniel Sádio, eleito pelo PS, afirmou hoje que “é no debate político, no confronto sério de ideias e projetos, que se conseguem as melhores soluções”.

O autarca, que venceu a Câmara de Estremoz, no distrito de Évora, sem maioria absoluta, aludia à “geometria política” que resultou das eleições autárquicas de 26 de setembro para o município, que era gerido há 12 anos pelo Movimento Independente por Estremoz (MiETZ).

“Em rigor, ainda que cada um, à sua maneira, apresente os seus projetos e ideias, confio plenamente que todos procuramos o melhor para Estremoz”, disse o autarca, na cerimónia de tomada de posse dos novos eleitos para a câmara e assembleia municipal, realizada no Teatro Bernardim Ribeiro, na cidade alentejana.

O autarca realçou no discurso que se deve colocar “sempre Estremoz” e as suas gentes no “centro da missão” assumida, salientado que será “o presidente de câmara de todos os estremocenses”.

José Daniel Sádio notou que nas eleições autárquicas a “democracia funcionou”, e os eleitores “definiram que se deveria iniciar um novo ciclo de governação, que irá ter um contexto único” em Portugal e também em Estremoz.

Antes, Sádio cumpriu dois mandatos consecutivos como vereador da Câmara de Estremoz, sem pelouros, eleito pelos socialistas.

O novo executivo municipal de Estremoz é composto por três eleitos do PS, três do Movimento Independente por Estremoz (MiETZ) e um da coligação PSD/CDS-PP/PPM.

Tomaram posse hoje, além do novo presidente da autarquia, os vereadores Sónia Caldeira e Luís Pardal (PS), José Carlos Salema, Nuno Rato e Vanda Messenário (MiETZ) e Sónia Ramos (PSD-CDS-PP/PPM).

Segundo o novo presidente do município, apenas os eleitos do PS vão assumir pelouros.

O presidente cessante da Câmara de Estremoz, Francisco Ramos, eleito pelo MiETZ, que substituiu no cargo Luís Mourinha, em fevereiro de 2019, após a perda de mandato do antigo autarca também eleito por aquele movimento independente , não concorreu às autárquicas de 26 de setembro.

Ricardo Catarino (PS) foi eleito presidente da Assembleia Municipal de Estremoz.

Sobre eventuais negociações com o objetivo de gerar entendimentos de governação, o novo presidente do município disse à agência Lusa, à margem da cerimónia, que o PS “não vai entregar pelouros à oposição”, adiantando que “houve apenas negociações com o PSD”, mas foi “entendimento de ambas as partes” não haver distribuição de pelouros.

José Carlos Salema, que encabeçou a lista do MiETZ à Câmara de Estremoz, e tomou posse como vereador, indicou à Lusa que os três eleitos do movimento independente para o executivo municipal “não vão aceitar pelouros”, nem foram contactados pelo PS para negociações.

“A nossa posição será sempre de manter uma postura construtiva na defesa dos interesses do concelho de Estremoz”, adiantou.

Sónia Ramos, vereadora pela coligação PSD/CDS-PP/PPM, afirmou à Lusa que “houve um convite” do PS para “assumir pelouros” e “um declínio da parte da coligação”.

“Vamos fazer uma oposição responsável, credível, vai ser proposta a proposta, proativa, e se houver possibilidade apresentaremos as nossas propostas na defesa dos interesses das pessoas”, adiantou Sónia Ramos, que encabeçou a lista da coligação ao município e que é também a presidente da Comissão Política Distrital de Évora do PSD.

Nas autárquicas de 26 de setembro, o PS obteve 35,32% dos votos para a Câmara de Estremoz, enquanto o MiETZ foi a segunda força mais votada, com 33,19% e a coligação PSD/CDS-PP/PPM ficou na terceira posição com 9,23% dos votos. 

Neste concelho, onde a abstenção foi de 40,65%, as candidaturas da CDU, com 7,69%, do Chega, com 4,80%, do Nós, Cidadãos!, com 4,70%, e da coligação MPT, Aliança e RIR, com 2,06%, não conseguiram qualquer eleito para o executivo camarário.