Autárquicas 2021/Portalegre: Adepto de viagens, candidato do PS traça rota para conquistar município

Moreira Testa

O candidato do PS à Câmara de Portalegre nas autárquicas deste ano gosta de viajar, de futebol e de desportos motorizados, mas a meta que quer atingir na próxima viagem é conquistar aquele município alentejano.

Luís Moreira Testa, de 43 anos, é jurista de profissão, natural e residente em Portalegre, concelho que pretende ‘roubar’ à atual autarca Adelaide Teixeira, atualmente a cumprir o segundo mandato eleita pelo movimento Candidatura Livre e Independente por Portalegre (CLIP).

Casado e pai de dois filhos, o candidato do PS, que diz à agência Lusa possuir uma personalidade “temperamental”, revela que, nas horas vagas, gosta de estar na companhia da família e dos amigos.

Deputado na Assembleia da República desde 2015, é também vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS e, nas eleições autárquicas deste ano, concorre à Câmara de Portalegre para “mobilizar” e “unir” os habitantes do concelho em torno de um projeto político.

Mas, a principal meta do candidato socialista e atual presidente da Assembleia Municipal de Portalegre (eleito pelo PS em 2017), passa por vencer as eleições.

Que esta vitória se possa traduzir no desenvolvimento do concelho e da cidade, que muito tem tardado. A candidatura é um mero instrumento para que possamos tornar o concelho mais desenvolvido [e para dar] esperança aos que cá estão e aos outros que nos procuram para viver e trabalhar”, argumenta.

A captação de investimento para criar riqueza, o setor do turismo, e as questões digitais e ambientais são outras das bandeiras em que o candidato promete trabalhar, caso seja eleito presidente da autarquia.

Não podemos perder o investimento que vem para o distrito”, realça, aludindo ao projeto de construção da Barragem do Pisão, no concelho de Crato.

Segundo Luís Moreira Testa, Portalegre tem de se “posicionar como outros concelhos das zonas limítrofes da albufeira, com conceitos fortes nas áreas do agroalimentar e das agroindústrias”.

Luís Testa preside à Comissão Parlamentar de Acompanhamento às Medidas de Combate à Pandemia e para a Recuperação Económica e Social, no parlamento, e ainda à Comissão de Economia, Ambiente e Cooperação da Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP).

Dedicado, pois, a temas que envolvem o ambiente, diz não conseguir entender porque é que “não há uma aposta decisiva” nas metas ambientais da mobilidade urbana e da mobilidade suave em Portalegre. Nem “na transição digital”, acrescenta.

Apelidando-se como um ouvinte musical de “banda larga”, com gostos musicais que ‘navegam’ desde a música clássica aos Pink Floyd, dos Ramones aos The Doors ou aos The Clash, Luís Moreira Testa quer também apostar no setor da cultura, principalmente através da produção local.

A cultura não pode ser apenas a da importação, pois compra-se fora e mostra-se em Portalegre. Isso pode resolver o problema de um fim de semana ou até de um mês [de programação], mas não resolve o problema estrutural da oferta cultural que uma cidade média como Portalegre aspira a ser”, defende.

Benfiquista assumido, o candidato do PS assegura que, caso seja eleito, a sua ‘camisola’ será a dos dois clubes da cidade – Sport Clube Estrela e Club Desportivo Portalegrense – e promete, através da área do desporto, dar um impulso à cidade.

O desporto é um grande veículo de promoção para uma cidade como Portalegre aspira a ser e, portanto, tem de haver um investimento muito seletivo, que abrace os desportos que já existem, mas também desportos novos”, nota o candidato.

O executivo municipal é composto por três eleitos da CLIP, dois do PS, um do PSD e outro da CDU.

Além do candidato do PS, a corrida eleitoral à Câmara de Portalegre tem três candidatos anunciados: Fermelinda Carvalho (PSD/CDS-PP), Hugo Capote (CDU) e Luís Lupi (Chega).

As eleições autárquicas ainda não têm data marcada, mas, segundo a lei, ocorrem entre setembro e outubro.

Por: Hugo Teixeira