Autarca do Crato recebeu Conselho Directivo da ANAFRE e destacou a importância de se “conhecer a realidade que se vive em alguns territórios”

O Presidente do Conselho Directivo da ANAFRE, Jorge Veloso, foi recebido esta sexta-feira (6 de Março) pelo Presidente do Município do Crato, Joaquim Diogo, no Salão Nobre dos Paços do Concelho do Crato numa sessão de boas vindas que antecedeu a reunião descentralizada daquela associação que decorreu na Sala do Capítulo do Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa.

Nas declarações prestadas, o Presidente da Câmara Municipal do Crato, Joaquim Diogo, elogiou o trabalho feito pela Distrital de Portalegre da ANAFRE, referindo a “forma como se dedicam às suas freguesias e ao serviço publico”, dirigindo depois umas palavras ao Presidente do Conselho Directivo da ANAFRE, destacando o facto de “visitarem todos os locais de Portugal, porque é muito importante conhecer a realidade que se vive em alguns territórios e é importante que seja sentida e seja levada paras as decisões importantes e mais difíceis.”

O Autarca do Crato refere também que “as freguesias encaram desafios muito sérios, há de facto uma nova visão sobre as responsabilidades que as freguesias têm de ter”, salientando ainda que “aquilo que se via de um presidente de junta antigamente, era aquele senhor reformado que não tinha nada para fazer e vinha para presidente de junta e, neste momento a exigência de um presidente de junta é muito superior a isso, ou seja, o desafio é cada vez mais presente, o rigor na gestão quer que os presidente de junta consiga ter um nível de formação completamente diferente, ou seja, a capacitação de cada um tem de ser cada vez maior”

Por sua vez, o Presidente do Conselho Directivo da ANAFRE, Jorge Veloso, explicou que é habitual a ANAFRE “realizar os seus conselhos directivos de uma forma descentralizada, e até em distritos em pior condição de freguesias associadas, como é o caso de Portalegre.”

Um dos temas abordados é a descentralização e sobre esse aspectos Jorge Veloso refere que “o processo de descentralização que a ANAFRE não quer ver parado, queremos um processo que se desenvolva e que não tenha percalços pelo caminho, e estamos a atingir uma fase em que já temos 2 mil freguesias que aceitaram exercer as novas competências, sendo que  estamos à espera que alguns municípios aceitem negociar e assinar o auto de transferência para começarmos a receber directamente do orçamento de estado. Entendemos que com isso as freguesias ganham uma maior autonomia em todos os sentidos.”