Domingo, Janeiro 29, 2023
Pub

Autarca de Portalegre considera “manifestamente insuficiente” verba para Educação

- Publicidade -
- Publicidade -

A presidente da Câmara de Portalegre, Fermelinda Carvalho, considerou hoje “manifestamente insuficiente” a verba destinada para o setor da Educação, no âmbito do processo de descentralização de competências, situação que está a gerar “problemas” aos municípios.

“A verba transferida pelo Estado é manifestamente insuficiente e nós temos problemas diários que não estamos a conseguir resolver”, alertou a autarca, que está a cumprir o primeiro mandato naquele município alentejano, eleita pela coligação PSD/CDS-PP.

“Pessoalmente, não vejo vantagem nenhuma nesta transferência de competências. Diariamente estamos atolados em burocracia, porque é o presidente da autarquia que diariamente tem de despachar a fatura da luz, a fatura das comunicações, a fatura das mais pequenas despesas das escolas”, acrescentou.

O parlamento reforçou recentemente em 10,8 milhões de euros as verbas destinadas à Educação do Fundo de Financiamento da Descentralização (FFD) para as autarquias no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), respondendo a uma das reivindicações dos municípios.

As alterações, aprovadas durante a votação na especialidade do OE2022, a partir de uma proposta socialista, estabelecem também as verbas anuais a atribuir aos municípios por cada escola que passa para a alçada destas autarquias, segundo critérios de área e de idade do edifício.

“Desses 10,8 milhões de euros de reforço quero saber quanto é que vem para Portalegre, depois logo direi se é ou não suficiente”, disse Fermelinda Carvalho.

Para Fermelinda Carvalho, que defende ainda que o Governo deveria “reforçar” as verbas para os municípios no Orçamento do Estado, o executivo ao fazer este tipo de transferência de competências “não está mais do que a livrar-se de problemas que tem”, e que “também gere com dificuldades” no dia-a-dia.

Com a “alçada” da Educação e da Ação Social no processo de descentralização, a presidente do município de Portalegre conclui que não existem vantagens no sistema em curso.

“Não vejo vantagem nesta forma de descentralizar. Por exemplo, quem é conhecedor das realidades das escolas e percebe desse ofício é o Ministério da Educação e são as escolas, não vejo vantagens nisto, isto não é delegar competências, é arranjar chatices a todos”, disse.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

- Publicidade -

Mais notícias

Condutor de pesado de mercadorias morre em despiste no IC1 em Ourique

Um homem, de 35 anos, morreu hoje devido ao despiste do veículo pesado de mercadorias que conduzia, no Itinerário Complementar 1 (IC1), na zona...

António Chainho com concerto magistral em Reguengos de Monsaraz (c/fotos)

O músico e compositor António Chainho estreou um novo espetáculo este sábado, no Auditório Municipal de Reguengos de Monsaraz, numa retrospetiva de carreira que...