Quinta-feira, Dezembro 8, 2022
Pub

Autarca de Évora espera ampliação da produção nas fábricas vendidas pela Embraer

- Publicidade -
- Publicidade -

A venda das fábricas da Embraer em Évora à espanhola Aernnova, fornecedora da empresa brasileira e de outros construtores aeronáuticos, “pode permitir ampliar a oferta produtiva” destas unidades, disse hoje o autarca deste concelho alentejano.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, frisou que, pelo menos, “é essa a expectativa” que tem, de que esta venda permita “o alargamento do funcionamento e da produção das atuais fábricas” situadas naquela cidade.

Isto porque “a empresa que adquiriu as fábricas é fornecedora da Embraer, já há algum tempo, mas é também fornecedora de outros construtores aeronáuticos, como a Airbus, a Bombardier”, entre outros, argumentou o autarca.

“Portanto isto pode permitir ampliar a oferta produtiva das fábricas de Évora”, disse, insistindo acreditar que a venda, ao invés de significar “problemas para Évora”, possa traduzir-se no aumento “do universo de respostas que estas fábricas dão, incluindo a continuidade do fornecimento à Embraer”.

A Câmara de Évora já pediu uma reunião à construtora aeronáutica brasileira, que ainda não está agendada, para “poder clarificar um conjunto de pontos e de situações”.

Questionado pela Lusa sobre se podem estar em risco os postos de trabalho existentes nas duas unidades fabris, o autarca rejeitou essa hipótese.

“A informação que temos é que todos os trabalhadores serão mantidos e até que poderá vir a haver perspetivas da ampliação do negócio”, realçou.

Contudo, ressalvou Pinto de Sá, “é ainda prematuro” abordar esse tipo de questões, já que o município não possui “informações oficiais por parte da Embraer”.

“Estamos a guardar uma reunião para podermos abordar todas estas questões”, acrescentou.

A fabricante de aeronaves Embraer anunciou hoje ter vendido as duas fábricas localizadas em Évora à espanhola Aernnova Aerospace, por cerca de 151 milhões de euros.

O acordo, confirmado num comunicado emitido aos acionistas da Embraer, contempla a venda de todas as ações das subsidiárias Embraer Portugal Estruturas Metálicas (EEM) e Embraer Portugal Estruturas em Compósitos (EEC) à Aernnova, pelo valor de 172 milhões de dólares (151,2 milhões de euros), sujeito a ajustes até à sua conclusão.

Inauguradas em 2012, as duas instalações em Évora empregam cerca de 500 pessoas. 

As fábricas envolveram um investimento inicial a rondar os 180 milhões de euros e, dois anos depois, a empresa criou também um centro de engenharia e tecnologia na cidade alentejana.

Em 2019, numa cerimónia nas instalações de Évora, o presidente da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider, disse que o investimento da empresa nas unidades alentejanas já ultrapassava “os 400 milhões de euros”.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

ASAE apreende vários quilos de ameijoa japónica no concelho de Beja

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu, recentemente, vários quilos de ameijoa japónica no concelho de Beja. De acordo com a ASAE, no...

TotalEnergies constrói central solar em Nisa num investimento de 100 M€

A TotalEnergies vai investir 100 milhões de euros na construção de uma central solar, em Nisa (Portalegre), com capacidade instalada de 128 ´megawatts` (MW)...