Aterragem de emergência de avioneta no “Portugal Air Summit 2018”,em Ponte de Sor, aconteceu por falta de combustível

Foto: mediotejo.net

Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF), através de um relatório agora publicado, afirma que a falta de combustível esteve na origem da falha do motor e consequente aterragem de emergência do avião de acrobacias durante o festival aéreo “Portugal Air Summit”, em Ponte de Sor, Portalegre, em Maio de 2018.

O acidente ocorreu a 27 de Maio, no decorrer do evento “Portugal Air Summit 2018″, no Aeródromo de Ponte de Sor, quando o motor do ‘XtremeAir XA42’ parou, e o piloto, de nacionalidade norte-americana, de 42 anos, declarou emergência no ar e aterrou num terreno agrícola.

De acordo com o relatório, “o motor perdeu potência por falta de combustível. [ocorreu] Uma deficiente gestão de combustível pelo piloto, motivado pelo tipo de evento e envolvente operacional, que terá levado o piloto a não efectuar uma verificação física da quantidade de combustível antes e durante cada voo”.

No mesmo documento pode ainda ler-se que “o piloto executou uma aproximação a planar até ao terreno agrícola e, durante a aterragem, a aeronave aterrou em terreno macio (que estava a ser preparado para plantação) e derrapou cerca de 21m (metros) antes de ficar imobilizado na posição invertida”.

“No decorrer da recolha de evidências e preparação de remoção dos destroços foi aferido que não existia combustível no acrotank [tanque principal] (tanto no filtro de combustível como no divisor de combustível) e apenas uma quantidade insignificante nos tanques das asas”, revela o referido relatório. Desta forma o GPIAAF concluiu que, “dadas as evidências de ausência de combustível no acrotank e, tendo em consideração a queda do valor da pressão de combustível, seguida da queda no valor das rotações do motor, é provável que o motor tenha parado devido a falta de combustível”.