Quinta-feira, Agosto 18, 2022
Pub
Pub

Associação quer mais “resiliência” às alterações climáticas no Vale do Guadiana

- Publicidade -
- Publicidade -

A Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM) iniciou, recentemente, um programa que pretende aumentar a “resiliência” dos montados às alterações climáticas no Parque Natural do Vale do Guadiana, que abrange os municípios de Mértola e Serpa.

Segundo explicou à agência Lusa a coordenadora do programa, Maria Bastidas, o objetivo é “aumentar a resiliência às alterações climáticas no montado”, através da implementação de práticas “que terão por base a cooperação e a partilha”,

Este programa tem o nome de ‘+Solo +Vida’ e vai prolongar-se até dezembro de 2023.

A iniciativa prevê a implementação de um conjunto de “10 boas práticas, com elevado potencial de replicação”, em 94 hectares do Parque Natural do Vale do Guadiana (PNVG), nomeadamente em explorações silvoagropecuárias, para combater a degradação do solo nos concelhos alentejanos de Mértola e Serpa, no distrito de Beja.

Segundo Maria Bastídas, “um primeiro grupo de atividades tem a ver com a governança”, estando previsto um estudo sobre “soluções de governança para este contexto agrícola”, assim como a definição de “um modelo participado”.

Um segundo grupo de atividades tem que ver “com o conhecimento e com a sistematização de informação, com a capacitação e demonstração de boas práticas”, continuou a coordenadora.

“E o terceiro grupo [de atividades] é aquele grande conjunto de ações que têm a ver com o restauro [de solos] propriamente dito”, que “passará pela aplicação de boas práticas agrícolas em 94 hectares privados dentro do PNVG”, disse.

Quando o programa chegar ao fim, em dezembro do próximo ano, Maria Bastídas espera “ter mais agricultores com um conhecimento ‘in situ’ de boas práticas e da sua aplicação”.

“Por outro lado, queremos desenvolver no território as ferramentas para que essas boas práticas fiquem instaladas”, reforçou.

A coordenadora do ‘+Solo +Vida’ acrescentou que este “é um projeto que pretende ser muito próximo da realidade local” e “desenvolver uma estratégia à medida das necessidades e do contexto social e agrícola do PNVG”.

“É evidente que esperamos, no fim do projeto, poder dizer que é uma metodologia replicável noutros contextos”, concluiu.

O ‘+Solo +Vida’ foi um dos quatro projetos aprovados, a nível nacional, pelo fundo EEAGrants, financiado por Islândia, Liechenstein e Noruega, no âmbito dos ‘Projetos de preparação para condições meteorológicas extremas e de gestão de riscos no contexto das alterações climáticas’.

O projeto tem como entidades parceiras a Cooperativa Agrícola do Guadiana, a Natural Business Intelligence, a Universidade do Algarve e a International Development Norway.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Bombeiros criticam critérios do Governo para a atribuição de veículos às corporações

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, que reuniu ontem com o presidente de uma Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários, criticou os critérios do...

Santiago do Cacém: Peça “Paixão Segundo João” apresentada em Abela

O espetáculo "Paixão Segundo João", de António Tarantino, é apresentado, na sexta-feira e no sábado, em Abela, no concelho de Santiago do Cacém (Setúbal),...