As imagens do primeiro dia em que Vila Viçosa recuou à época renascentista (c/fotos)

cavalos medievais

A Feira de Inspiração Renascentista de Vila Viçosa, no distrito de Évora, já está a decorrer, tendo como palco principal o interior do espaço amuralhado do castelo.

Espetáculos históricos e de fogo, torneio a cavalo e gastronomia estão em destaque no evento, que pretende atrair visitantes a Vila Viçosa.

Este certame foi inaugurado com um cortejo inaugural ao final da tarde desta sexta-feira, dia 10 de junho, tendo percorrido as principais ruas de Vila Viçosa até chegar ao icónico castelo.

O programa inclui ainda animações, mercado, música e danças populares, concerto, arruada pelas principais artérias da vila, cortejos, espetáculo de cetraria e de fogo, torneio de armas apeado e “comidas e beberes com sabores de antanho”.

O recinto da Feira de Inspiração Renascentista conta com bancas de artesanato, licores e outros produtos, e ofícios ao vivo.

Em declarações a’ODigital.pt, o presidente da Câmara Municipal de Vila Viçosa, Inácio Esperança, explicou que “esta feira de inspiração renascentista tem dois objetivos, nomeadamente dinamizar e promover cultural, económica e socialmente Vila Viçosa, pois trata-se de uma atividade cultural que dinamiza também a economia e de alguma forma promove Vila Viçosa. Em segundo lugar, e de encontro à nossa estratégia de candidatura a Património Mundial, queremos procurar que este ambiente renascentista que se viveu em Vila Viçosa durante os séculos XVI e XVII, com a presença dos Duques de Bragança, antes serem reis de Portugal, e que fizeram desta terra aquilo que ela é ainda hoje uma enorme terra em termos de património, em termos de história, em termos de cultura, promover tudo isso e promover aquilo que temos de bom aqui“.

Segundo Inácio Esperança, “este evento vai ao encontro da nossa candidatura a Património Mundial, que queremos entregar em fevereiro de 2023 na UNESCO, que tem a ver não só com a vivência dos senhores duques aqui, como também com a Senhora da Conceição e a sua coroação como Rainha de Portugal e do Império na altura. Não é só uma padroeira de Portugal, sendo também do Brasil, de Angola, Moçambique e todos os territórios portugueses que o reino de Portugal tinha, portanto, é um culto internacional e queremos promover a nossa vivência aqui e a vivência dos Duques de Bragança e o culto a Nossa Senhora. E com isso queremos ir ao encontro daquilo que procuramos fazer, que é candidatar este património material e imaterial a Património da Humanidade”.

Esta feira pretende não só dar vida ao castelo como à própria vila, pois, aquilo que queremos é dinamizar cultural e socialmente a nossa terra, para que não só os de aqui se orgulhem de toda a história, porque muitos dos nascituros aqui não têm conhecimento deste património cultural. Nas escolas, as crianças só aprendem a história de Portugal e não aprendem a história da sua terra, queremos que isso também mude. Esta é uma oportunidade para mostrar aos nascituros de Vila Viçosa a importância da sua terra, do seu castelo e da sua história, a importância que esta terra tem na história de Portugal, em três momentos que são decisivos para a sua história: as guerras da Independência, da Restauração e as invasões francesas. Vila Viçosa teve nestes três momentos um papel fulcral e decisivo na história de Portugal e é isso que nos torna ímpares na história de Portugal e talvez na história do mundo, uma terra tão pequena, com um património cultural destes e tão importante para um país, para a decisão de um país e não só para o seu reconhecimento internacional“, disse o edil.

Inácio Esperança garantiu que “nos próximos quatro anos certamente teremos este evento, a resposta que as pessoas deram até ao momento é satisfatória para o primeiro dia. Vamos esperar pelos outros dois dias e depois vamos esperar também pela avaliação que temos de fazer da feira para ver se aquele dinheiro que gastámos e que o Estado Português também gastou, pois isto é uma feira comparticipada, valeu a pena. Durante estes três, quatro dias isso já é um retorno bom, mas queremos mais. Queremos saber também se as pessoas gostam e se as pessoas se reveem nisto e se acham que este é o caminho. Se este for o caminho, obviamente que iremos continuar, como é evidente“.

Fique com as imagens do primeiro dia, numa reportagem de Hugo Calado: