Alentejo quer acolher estrutura europeia permanente para empreendedorismo

Mais de 100 académicos, empresários, políticos e dirigentes da administração pública pedem ao Governo a instalação no Alentejo da estrutura europeia permanente para o empreendedorismo, para ajudar a transformar a região no próximo ‘Silicon Valley’.

O pedido consta de uma carta, a que a agência Lusa teve hoje acesso, da autoria do vice-reitor da Universidade de Évora (UÉ) e presidente executivo do Parque do Alentejo de Ciência e Tecnologia (PACT), Soumodip Sarkar, que foi subscrita por 104 personalidades.

Na missiva, já enviada ao primeiro-ministro, António Costa, Soumodip Sarkar diz ter tido conhecimento de que “Portugal irá acolher uma estrutura europeia permanente para o empreendedorismo” e felicita o Governo pela iniciativa.

Vejo a possibilidade da integração desta estrutura no Alentejo como um importante e enorme passo para concretização mais rápida e eficaz daquela que é a nossa missão. Não só a missão da região, mas a missão do país. Um país que tem trabalhado para que a coesão territorial seja uma realidade efetiva“, sublinha.

O anúncio do lançamento de uma estrutura europeia permanente para o empreendedorismo, denominada “Europa ‘Startup’ Aliança das Nações“, foi feito pelo primeiro-ministro, em março, na 4.ª edição do Dia Digital, uma iniciativa da Comissão Europeia organizada em parceria com o Ministério da Economia e da Transição Digital, no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da UE.

António Costa indicou, então, que a iniciativa teria sede em Lisboa e que competiria com os principais concorrentes internacionais na área da inovação tecnológica, nomeadamente com os Estados Unidos, Israel e Singapura.

Na carta enviada ao primeiro-ministro, o vice-reitor da UÉ e presidente do PACT diz acreditar que o Alentejo “tem todas as condições para ser o próximo ‘Silicon Valley‘” e manifesta-se “crente do potencial” da região e “confiante no trabalho” desenvolvido “nos últimos anos pelos vários agentes“.

O ecossistema educativo profundamente enriquecido pelo desenvolvimento das instituições de ensino superior e o Sistema Regional de Transferência de Tecnologia (SRTT)” são alguns exemplos do “trabalho e evolução” da região em matéria de empreendedorismo e inovação, segundo o responsável.

Entre outros, destaca também “a forte ligação” entre fatores tradicionais e fatores de inovação, “eclosão da região” como polo industrial e tecnológico, o número de incubadoras de base tecnológica na Rede Nacional de Incubadoras e a expansão das instalações físicas do PACT, localizado em Évora.

O crescimento da região Alentejo em matéria de empreendedorismo, inovação e desenvolvimento é claro e inequívoco“, nota Soumodip Sarkar, considerando que “os fatores territoriais têm tido um importante contributo nesta expansão“.

Para o responsável, o facto de a região ocupar um terço do território nacional, o clima mediterrânico e a cultura e gastronomia “são fatores que não são indiferentes” aos que “passam” e aos que “decidem ficar” no Alentejo.

Esta oportunidade deve ser vista para Portugal como uma mais-valia, em termos de experiência e conhecimento, um garante do seu sucesso, essencial à gestão desta estrutura que monitorizará o ecossistema europeu de empreendedorismo“, afirma.

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo, António Ceia da Silva, a reitora da UÉ, Ana Costa Freitas, a presidente do hospital de Évora, Filomena Mendes, o presidente do Turismo do Alentejo e Ribatejo, Vítor Silva, e a eurodeputada Maria da Graça Carvalho são alguns dos signatários da carta.

Também subscreveram a carta o antigo ministro da Agricultura António Serrano, diversos empresários, como António Silvestre Ferreira, Rui Nabeiro e José Roquette, autarcas, investigadores e académicos, dirigentes da administração pública, presidentes dos núcleos empresariais, associações e outros.