Alentejo: “Medidas arbitrárias tomadas pela ARS” poderá ter levado à demissão da Directora do ACES, afirma Sindicato

Mora precisa de mais médicos

Depois de ontem a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo ter vindo a público confirmar e esclarecer a demissão da Directora Executiva e do Conselho Clínico do ACES Alentejo Central, Maria Laurência Gemito, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) vem agora solidarizar-se com Direcção demissionária.

Apesar da ARS Alentejo assegurar que a saída de Maria Gemito estar prevista desde Março por motivos profissionais, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul afirma que se deveu às “medidas arbitrárias tomadas pela ARS do Alentejo relativamente ao surto de COVID-19 numa Estrutura Residencial para Idosos de Reguengos de Monsaraz.”

O referido Sindicato, em comunicado enviado à Redacção d’ODigital.pt  refere que a demissão “releva a dignidade e a coragem da tomada de posição dos responsáveis do ACES Alentejo Central, ao assumirem a sua recusa em pactuar com os métodos ilegítimos utilizados pela ARS do Alentejo, que constitui um exemplo fortemente contrastante com a prática a que as administrações politicamente nomeadas nos têm habituado.”

O Sindicado refere ainda que “esta atitude vem confirmar as denúncias do SMZS quanto à ilicitude da mobilização forçada de médicos para trabalhar numa instituição e concelho diferentes daqueles em que estão colocados e contratados, e confirma a gestão casuística e sem critério dos recursos humanos disponíveis em tempo de pandemia.”

Na nota enviada, o SMZS apela “para que sejam alterados os critérios de nomeação para os cargos de decisão em termos de gestão e planeamento da Saúde”,  e exige “a substituição do conselho directivo da ARS Alentejo”.