Agricultores de Montemor-o-Novo acusam o Governo de desmantelamento da DGAV e de ceder ao PAN

Landscape with cork trees and resting and grazing sheep in the Alentejo region of Portugal.

A APORMOR- Associação de Produtores do Mundo Rural da Região de Montemor-o-Novo veio a público, esta segunda-feira, repudiar a intenção do Governo de criar uma Direção-Geral dependente do Ministério do Ambiente para o bem-estar dos animais de companhia.

Os Agricultores da região de Montemor-o-Novo, afirmam que a criação desta nova entidade serve para satisfazer, “parcialmente, uma exigência de um dos seus apoiantes, o PAN. Dizemos parcialmente, porque este partido político exige que também os animais de produção sejam abrangidos.”

Ao que sabemos, existe uma grande união do Mundo Rural contra esta intenção de tirar aos técnicos da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) a gestão do bem-estar animal”. Segundo a APROMOR, esta medida do governo é “entregá-la aos políticos” a gestão do bem-estar animal bem como “neste caso e neste contexto a pessoas que, dizendo-se defensores dos animais e da natureza, são as que mais atentam contra as leis naturais que têm garantido, ao longo dos séculos, a coexistência entre as espécies animais, incluindo a humana. E esta vida em comum na natureza tem tido, nas últimas décadas, o apoio indispensável da DGAV e das Direções-Gerais que a antecederam, não só na sanidade animal, mas também na aplicação de regras de bem-estar animal, que todos os produtores pecuários compreendem e acatam.”

Os Agricultores da região de Montemor-o-Novo acusam também o Governo de ter a “intenção deliberada por parte da Tutela de a ir desativando [DGAV], não substituindo os funcionários que se reformam, nem dotando os que restam com os meios mínimos necessários, a começar pelos transportes, para que possam cumprir a sua missão, ainda dispõe de técnicos e outros funcionários que todos os dias fazem milagres para que a saúde pública e animal sejam asseguradas, dentro das condicionantes existentes.”

Os Agricultores de Montemor-o-Novo afirma mesmo que “a cedência a estes grupos só tem agravado as situações. Quando se quer mexer num problema, a norma tem sido agravá-lo”, acrescentando que “a seguir aos animais de companhia virão os animais de produção e o desmantelamento da DGAV”.