Administração do Lar de Reguengos de Monsaraz responde a comentários que considera “desumanos e manipuladores”

Lar de Reguengos de Monsaraz onde surgiu um surto de Covid-19

Depois de alguns comentários nas redes sociais, relativamente ao processo de apoio e acompanhamento prestado à trabalhadora do lar de Reguengos de Monsaraz, Ludmila Istratuc, falecida em 1 de julho passado devido à Covid-19, o Conselho de Administração da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS) emitiu um comunicado esclarecendo algumas questões.

Relativamente aos comentários nas redes sociais, o Conselho de Administração da Fundação considera-o “deveras desumanos e manipuladores dos factos”.

Neste sentido, a Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão da Silva esclarece o seguinte:

“• Transmitimos as nossas profundas condolências presencialmente à família no momento em que o nosso Presidente do Conselho de Administração, acompanhado da assistente social Dalila Capucho, no preciso momento em que comunicámos a trágica perda desta nossa Amiga e Trabalhadora;

  • A FMIVPS já liquidou integralmente todas as despesas do funeral não cobertas pela Segurança Social, honrando o compromisso assumido perante a representante da família. A fatura liquidada por Adrian Istratuc será totalmente paga pela Segurança Social, de acordo com toda a informação dada oportunamente à família. A Família de Ludmila Istratuc não suportará qualquer custo com as cerimónias fúnebres;
  • São revelados publicamente valores do recibo de vencimento de julho, relativos ao subsídio de férias da nossa trabalhadora: neste recibo foram processados apenas acertos finais porque o subsídio de férias deste ano já tinha sido integralmente pago em junho;
  • A Fundação transmitiu à família toda a disponibilidade para prestar todo o apoio domiciliário que a Família considerasse necessário, que estivesse ao alcance da FMIVPS e durante o tempo que a família necessitasse (por exemplo: alimentação, lavagem de roupas, limpezas,…)
  • No telemóvel afeto ao gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, utilizado pela pessoa de contacto com o esposo, estão registadas várias dezenas de mensagens ao longo de cerca de um mês, reveladoras de todo o apoio e acompanhamento efetuados neste difícil período;
  • Sabemos ainda que o Presidente da Câmara Municipal efetuou mais dois contactos telefónicos, nos meses de julho e agosto, mantendo um acompanhamento próximo e de total disponibilidade para ajudar a resolver a situação laboral de Adrian Istratuc.

Esta Instituição continua totalmente disponível para apoiar e acompanhar a Família da nossa Querida Trabalhadora e Amiga e temos, coletivamente, uma dor muito profunda pelo aproveitamento desumano desta fatalidade, o qual está a acontecer, nomeadamente nas redes sociais.”