A pedalar 1300 km, Filipe Gaivão sensibiliza para a síndrome de Asperger e fez paragem em Sousel (c/fotos)

De forma a sensibilizar para a síndrome de Asperger, Filipe Gaivão, de 59 anos de idade, está a pedalar pelo País, trilhando a maior parte dos quilómetros em territórios do interior.

De forma a sensibilizar e a angariar fundos para a Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger (APSA), serão percorridos 1.300kms, numa iniciativa intitulada “Pedalar pela APSA” que decorre entre 13 e 24 de julho.

No domingo, Filipe Gaivão chegou à cidade de Portalegre, onde foi recebido pela presidente da Câmara Municipal, Adelaide Teixeira, sendo que já esta segunda-feira rumou até Évora, fazendo uma paragem em Sousel.

Em Sousel, Filipe Gaivão, foi recebido pela vereadora da Câmara de Sousel, Sílvia Eliseu, e por Crianças que frequentam o CATL (Centro de Atividades de Tempos Livres) da Associação Recreativa e Cultural de Sousel, estes que fizeram um donativo ao ciclista.

ODigital.pt acompanhou um pouco do trajeto e a chegada a Sousel e falou com Filipe Gaivão que começou por explicar que “esta é uma iniciativa no fundo para alertar o país para a síndrome de Asperger e para a existência de uma associação que pode ajudar as crianças numa integração social, numa inclusão social para terem uma vida melhor”.

Explicou ainda que “a síndrome de Asperger no fundo é uma patologia que leva a que estas crianças fiquem assim a vida toda, e se não forem acompanhadas vão ficar fechadas em si, cada vez mais ausentes e a degenerarem doenças mentais, portanto, o que se pretende é uma inclusão social e esta associação pode ajudar em qualquer ponto do país uma criança que esteja nesta situação.”

Luís Gaivão disse ainda que “o que nos pretendemos é percorrer o país, muito pelo interior que está mais longe dos grandes centros de decisão, e fazer chegar esta mensagem às pessoas, alertando para que existe, mas há alguma solução.”

Já sobre o papel das autarquias no apoio às pessoas portadoras da síndrome de Asperger, o ciclista referiu que “as autarquias podem dar um forte contributo no apoio a estas pessoas e sabendo da existência desta associação, podem ser criadas sinergias para que a associação possa vir ajudar essa criança, seja para vir trazer um computador, seja para trazer internet, para que essa criança possa ser acompanhada à distância.

Sobre esta iniciativa e a receção que tem tido, Luís Gaivão salienta que “temos tido uma receção muito boa em quase todos os concelhos por onde temos passado, principalmente os mais pequenos. Aqui em Sousel esta receção foi fantástica e puseram-me a chorar, deixaram-me completamente derretido e saio daqui com muita força para o que falta do percurso.”

Fique de seguida com as imagens da chegada a Sousel, numa reportagem de Hugo Calado: