90% das famílias aumentaram os consumos de energia com a pandemia

Energia

A Covid-19 teve um forte impacto nas finanças dos portugueses, afetando o rendimento de 68% das famílias. Para reduzir as suas despesas, 30% dos inquiridos afirma que pretende mudar de fornecedor de eletricidade em 2021. Estas são duas das principais conclusões do inquérito efetuado pela Comparamais junto dos seus clientes, que mostra também as vantagens de comparar. Das pessoas que usaram um simulador de preços em 2020, 27% viu a sua fatura anual baixar mais de 300€.

75% das famílias paga mais de 50€/mês de luz e gás

No último ano a fatura de energia subiu para 90% das famílias. Para 66% das pessoas o aumento foi entre 10€ e 50€, mas para 15% a diferença supera mesmo os 50€, com as principais razões para o crescimento a serem o teletrabalho e cozinhar mais vezes em casa. O elevado custo da energia em Portugal fica também evidente, com 75% a gastar mais de 50€ mensais, e 17% a pagar mais de 100€ por mês.

30% quer mudar de fornecedor de luz em 2021

A mudança do fornecedor de energia surge como uma das principais soluções para poupar dinheiro em 2021, com 30% a pretender mudar de empresa este ano. E 80% afirma que vai usar plataformas de comparação, antes de tomar a sua decisão, para descobrir a melhor tarifa.

Neste inquérito ficam ainda demonstradas as vantagens dos simuladores de energia, já que 27,4% dos utilizadores que recorreram a esta ferramenta em 2020 pouparam entre 25€ e 50€ por mês, reduzindo os seus gastos anuais em mais de 300€.

Análise do Diretor de Energia da Comparamais, Rui Mota:

“A mudança de fornecedor de energia pode permitir uma poupança considerável e o facto de 80% das pessoas afirmarem que vão recorrer a um simulador antes de mudarem de serviço comprova as vantagens destas ferramentas. Numa altura em que é preciso reduzir as despesas, fazer a comparação de preços de energia é uma excelente forma de poupar dinheiro”.

Veja mais informações sobre o inquérito da Comparamais em:

Covid faz subir a fatura de luz para 90% das famílias

Pandemia reduziu o orçamento mensal para 70% dos portugueses