1 milhão de euros para ampliar serviço de medicina intensiva do Hospital do Litoral Alentejano

Cuidados intensivos

A Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) vai investir 1 milhão de euros, até ao final do ano, na ampliação do serviço de medicina intensiva para reforçar a sua resposta à pandemia de Covid-19.

As obras de ampliação deste serviço, localizado no Hospital do Litoral Alentejano (integrado na ULSLA), estão previstas arrancar em breve e deverão estar concluídas até ao final deste ano, com “a criação de mais quatro quartos com pressão variável que irão aumentar a capacidade de resposta a doentes Covid-19 que necessitem de cuidados intensivos”, avançou à agência Lusa a Presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano.

“Estamos empenhados para que, até ao final do ano, a obra esteja concluída, [dotando a ULSLA de] 11 camas de medicina intensiva (nível 3), sendo que, destas, cinco estarão afetas a doentes Covid-19”, adiantou Catarina Filipe.

O investimento de cerca de um milhão de euros, “entre obras e equipamentos», resulta da «necessidade de aumentar a capacidade instalada no que diz respeito à medicina intensiva”, tendo a ULSLA apresentado um projeto que “foi autorizado pela tutela para fazer crescer este serviço”, explica a responsável.

Além da ampliação do serviço de medicina interna, a ULSLA anunciou ainda a transformação da unidade de cuidados intermédios nível 2 numa unidade Covid-19, a funcionar desde sexta-feira, dia 20 de novembro, com capacidade para seis camas com ventilação não invasiva ou alto fluxo, afetas a doentes Covid-19.

De acordo com Catarina Filipe, “esta resposta das camas nível 2 está a funcionar desde a última sexta-feira porque houve necessidade de fazer a transformação do serviço que deixou de dar resposta a doentes não-Covid, transferidos para outra área, ficando afeto a doentes com Covid-19”.

Fonte: Agência Lusa